quinta-feira, agosto 30, 2007

Conto do prazer em ré

Volto no tempo, dois anos antes, quando nos conhecemos. Amigos em comum, interesses mesmos e vem a empatia fácil. Descamba para admiração. Ok, nada demais. A linha de segurança é forte. Sem tesão não há solução. De minha parte não há tesão, logo tudo está prévia e irremediavelmente solucionado. Porque não existe perigo, nem penso em me proteger. A serpente sequer dá-se ao trabalho de chegar em silêncio. Ao contrário, faz música com seu chiado. E, porque gosto de ouvir, aproveita e vem se enroscando. E porque gosto de sentir, já não a afasto mais.

Ela já faz parte de mim, embora eu recuse os frutos que vez e outra me oferece. Com sua alma de serpente, ela sabe que qualquer dia provo do caminho do pecado, então apenas espera, pacientemente, o tempo preciso.

Chega por fim o momento da sedução, do degustar o fruto, da consciência da nudez num paraíso que já não há. Com olhos que vêem o Bem e o Mal, escolho o Pior. Deus se cala e apenas chora, daquele jeito dolorido de quem paga o preço de confiar na humanidade e conceder-lhe liberdade.

E então, o agora. Ergo-me. Já é chegada a hora da redenção e vida eterna não se concede a quem rasteja. Sigo com fé porque o torpor de todo veneno um dia se extingue.

5 comentários:

R. Paschoal disse...

Ah, o prazer e todas suas armadilhas...

Levante a mão que nunca se rendeu!

Ermanchuscarejula disse...

Cadê o "conto do prazer em mi" ?
em outras palavras...atualizáááá, atualizááá, atualizááá!!!!

Ermanchuscacerejula disse...

aliás, só o mi,nao...eu quero: do re mi fá fá fá, dó ré dó ré,ré ré...dó sol fá mi,mi ,mi, dó ré mi fá , fá fá !!! :-)

Anônimo disse...

:)
passei pra deixar um beijo....

saudades de ti
tonta!!!

barb michelen disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.