quinta-feira, julho 14, 2005

A esgotar meus verbos

Alguém me confessou ter medo da felicidade, por ser ela tão fugaz. Percebi que isso não me incomoda e conheço bem a razão: vivo como se estivesse a escrever uma autobiografia, ou, quem sabe, contando histórias para netos que hão de vir. Mesmo os maus momentos rendem boas histórias. Descobri que vivo mais pelas histórias que pelos momentos. Sou personagem para as minhas próprias narrativas, contos, poemas. Protagonista, coadjuvante, atuante, observadora. Contracenar, interpretar ou narrar. Tanto faz, me faz feliz.

Quis compartilhar, não sei se consegui. Meus momentos de extrema felicidade acontecem quando me sinto (pareço estar) à frente das minhas vivências. Quando eu trabalhava na Glória, todos os dias descia do ônibus nos Arcos da Lapa e caminhava um bom pedaço. Percurso de olhar para os rostos, sentir na face os raios de luminosidade carioca, aspirar o fedor inebriante das esquinas repletas de humanidades. Nessas horas me invadia uma saudade quase dolorida das ruas do Rio de Janeiro, aquelas mesmas que eu tinha diante dos meus olhos. Como se eu não estivesse vivendo, mas recordando. Gabriel García Márquez... À frente de mim mesma todas as sensações características de quem recorda no futuro, quando ele vira presente.

Perguntaram se não acho que me exponho ao escrever aqui. Penso que não, porque antes de escrever já deixei de ser. Acabo de me lembrar de Nietzsche. Não foi ele que disse que alguns homens nascem póstumos? Desconheço o significado de suas palavras, talvez poucas pessoas tenham entendido o que ele quis dizer, muito provavelmente ninguém. Mas, como todo mundo, interpreto. Vejo agora como faz sentido falar em memórias póstumas. Sempre amei Machado de Assis, agora com minhas vísceras. Só muito vivo se escreve postumamente. À frente de mim mesma, posso dizer do que já morreu, do que somente é na lembrança. Essa, pra mim, é a vivência suprema. Póstuma felicidade da vivência suprema. Felicidade suprema da vivência póstuma. Felicidade da vivência póstuma suprema. Póstuma vivência da felicidade suprema. Póstuma. Vivência. Felicidade. O que é supremo será divino?

Vivo num mundo de sonhos que torna o real insuportável. Mentira. Vivo o mundo real e os que não sonham me são insuportáveis. Depois dos momentos mágicos, parece enfadonho abdicar da poesia...

Descobri também que tudo pode ser banal ou mágico. A diferença entre um e outro se esconde no meu olhar. Deus não me castiga pelos meus pecados. Eu, sozinha, por mim mesma, sofro por não me encantar. Meu pecado se dá quando já não pasmo mais. Existe um mistério transcendente no amor e isso jamais se esgota. O que torna minha solidão mais aguda não é imaginar que jamais entenderão os meus mistérios, mas o medo de que alguém os compreenda e, assim, eles deixem de fazer sentido.

Viver em função da cristalização dos extremos é negar a essência de movimento, a pulsação. Tomo a imagem de um pêndulo: os pólos, com velocidade nula, significam a inércia, mas ela se faz momentânea e prenhe de movimento. Felicidade e tristeza são pólos. Mas a maior parte da parábola é feita de trajeto. Trajetória, movimento, caminho. Há mais ir que chegar.

Eu tinha uma dúvida em relação ao equilíbrio. Descobri que o equilíbrio é o movimento em si. As paradas são os picos fugidios. No equilíbrio aflora a beleza do ordinário para além do êxtase do extraordinário. Nem exaltação da santa, nem apedrejamento da puta. Banidos os heróis, exilados os bandidos. Resta um mundo de essencialmente humanos.

Perdoa-me se suas agonias me geram reflexão. Eu ando mesmo muito sozinha...

15 comentários:

Ritinha disse...

Então amiga, que se passa?
És linda e li aqui tanta coisa que me tocou. Deste texto poderia mencionar várias, mas destaco uma:

"tudo pode ser banal ou mágico. A diferença entre um e outro se esconde no meu olhar"

Beijos grandes

lefou disse...

a esto que dices lo conozco como la estabilidad de la inestabilidad, si trazaras una curva en la que al punto mas alto le llames felicidad, y al mas bajo tristeza, y este movimiento se repitiera incesantemente, al alejarte o hacer una especie de zoom out verias cuan parecida es a una linea recta..
encantado con este post..
beijinhos

C. disse...

Depois de um tempinho sem passar por aqui, me deparo com este post absolutamente encantador.
Me identifiquei em muitos pontos, pq também me fecho pra não descobrirem todos os meus "mistérios", senão perde a graça, não?
Beijo, bailarina.

Anônimo disse...

confusão mental

Å®t_Øf_£övë disse...

Digestora,
Vim para agradecer por teres participado no aniversário do "ABOUT LAST NIGHT", e por teres ajudado a soprar as velas.No entanto a festa ainda não acabou... porque faz precisamente 365 dias que a Ðä®k_Åñgë£ iniciou por lá a sua participação.
Bjo.

A metanóica disse...

ritinha:
Querida, às vezes sinto necessidade de explodir, mas não é nada grave. Excesso de digestão provocando convulsões estomacais, acho que é por aí.
Beijos e obrigada pelas palavras sempre tão carinhosas.

lefou:
Faz sentido... apesar de me angustiar muito a imagem de uma linha reta e de gostar da idéia da parábola, o seu exemplo me fez relativizar bastante a minha matemática.
Muitos beijos grandes!

C.:
Depois de um tempo sem seus comentários foi ótimo constatar mais pontos em comum.
Não posso dizer que sou exatamente uma bailarina, mas que eu vivo dando piruetas isso é verdade... rsrsrs
Beijo, querida!

anônimo:
Confuso, né? Na próxima vez eu faço um desenho, tá bom?

art of love:
Isso é que é gostar de comemorar...
Beijinhos

Ricardo Leal disse...

Gostei, e tenho de cá voltar.

Cláudia disse...

Gisele, sabe aquelas frases de escritores que se tornam conhecidas por inteligentes, sagazes, que dizem sobre a realidade de várias pessoas? Então, seu texto está cheio delas. É de guardar e depois soltar em pílulas.
Eu tenho uma sensação do tipo "estou no cinema, isso é um filme". É o nosso olhar, que pensa em vez de somente ver.

A metanóica disse...

run away man:
Pois volte! Adoro visitantes d'além mar! rsrsrs

Clau:
Que bom ter você por aqui! Obrigada pelo elogio, mas estou um pouco surpresa com os comentários de um modo geral. Não esperava que um post tão verborrágico chegasse a agradar alguém. Mas, pelo visto, cada um elegeu seu próprio fragmento de identificação.
Alívio saber que não estou sozinha nesse mundo...
Um beijo grande!

DriEveryWhere disse...

Faço minhas tuas palavras...

lualil disse...

Gisele,
Teus comentários sempre tão ricos.. obrigada por me dares o prazer da tua presença no Traduzir-se!
Volto já já com mais tempo para te ler como mereces!
deixo-te um beijo enooorme!

lualil disse...

Como te entendo. Este texto está lindo e cheio de sentidos e emoções... ui.. quase chorei qdo me vi passear pelas tuas palavras como se fossem minhas! Parabéns!
"Vivo num mundo de sonhos que torna o real insuportável. Mentira. Vivo o mundo real e os que não sonham me são insuportáveis. Depois dos momentos mágicos, parece enfadonho abdicar da poesia..." É perfeito!!!
muitos beijinhos

A metanóica disse...

lualil:
achei muito bacana o post das sibilinas, até me empolguei.
Que bom que existe identificação mútua.
Um beijo grande

Confligerante disse...

Menina! não te conheço e nem vou te conhecer, mas parece muito que é a minha parte mulher, sei lá, que coisa doida.

Confligerante disse...

Mas por mil favores, não me compreenda mal.
Nietzsche só se é compreendido inconscientemente, e só percebemos isso muito de vez em quando.